Projeto contra a cultura é do governo Rollemberg

Foto: Rinaldo Morelli/CLDF - 16/05/2017 - 21:21:06

Tema será discutido em audiência pública na próxima semana

Uma comissão formada por artistas e produtores culturais do Distrito Federal se reuniu com deputados distritais nesta segunda-feira (15), na sala de reuniões da CLDF, para apoiar a emenda de autoria dos deputados Cláudio Abrantes (Rede) e Prof. Reginaldo Veras (PDT), que exclui o Fundo de Apoio à Cultura (FAC) do projeto de flexibilização dos fundos especiais do Tesouro.

De acordo com o maestro e produtor musical Rênio Quintas, a possibilidade de o projeto de lei complementar n° 95/2016 ser aprovado é uma "afronta à cultura", pois permitiria a realocação de recursos previstos para o FAC. A proposta, de autoria do Poder Executivo, possibilita a reversão ao Tesouro do Distrito Federal do superávit financeiro de órgão e entidades da administração direta e indireta integrantes dos orçamentos fiscal e da seguridade social do DF. "Contamos com a sensatez dos distritais para não aprovarem o projeto enviado pelo GDF, pois, esse PLC é uma agressão", comentou o produtor.

Rênio Quintas ainda afirmou que é muito importante que os recursos do FAC continuem a ser utilizados apenas para o fomento de atividades de produtores culturais do DF. "Essa reunião com os parlamentares foi produtiva e fortaleceu o nosso movimento cultural contra esse PLC de autoria do governo", relatou Quintas.

O deputado Claudio Abrantes confirmou que ficou decido que o colégio de líderes fará uma audiência pública na próxima semana para discutir o projeto em questão. "O FAC é hoje praticamente o único recurso que o movimento cultural tem para girar a economia da Cultura. Tirar recurso do FAC é diminuir o número de empregos e de renda gerada, e não podemos admitir que isso ocorra", comentou o parlamentar.

F. Montoro (estagiário) - Coordenadoria de Comunicação Social

Foto: Rinaldo Morelli/CLDF - 16/05/2017 - 21:21:06

Cumprindo o papel de capataz de Rollemberg, o distrital Lira, relator da CPI da Saúde e deputado da base governista, retira nome de vice-governador de seu relatório.

A análise final da Comissão Parlamentar de Inquérito (CPI) da Saúde, apresentado no dia 11, no plenário da Câmara Legislativa (CLDF) desapontou.

Nele, o relator da CPI, o deputado Lira, isentou o vice-governador, Renato Santana, alegando que houve complô contra o representante do Executivo. O parlamentar ignorou o fato de que Santana afirmou em áudios ter conhecimento do pagamento propina no governo de Rollemberg.

Marli Rodrigues, presidente do SinSaúde, esclarece ainda que a denúncia dos “10% de propina” não foi de sua autoria, mas sim uma declaração do próprio vice-governador.

“Ele não estava furtado da sua lucidez. Renato sabe muito bem o que ele expôs. As gravações ecoam em todos os lugares. Ele mentiu para a CPI, mas não vai conseguir enganar a Justiça. Ainda vai correr muita água debaixo dessa ponte”, afirma.

Em julho do ano passado, a grande imprensa veiculou áudios em que o vice conversava com Marli Rodrigues, afirmando ter conhecimento de um esquema dentro da Secretaria de Fazenda onde era pago 10% de propina em contratos com empresas que prestam serviço para o GDF.

A sindicalista falou à CPI sobre a situação. Agora, Lira classifica como complô a denúncia de corrupção dentro do Executivo.

Entretanto, a dirigente sindical ressalta que é preciso fazer uma leitura política sobre os ataques de Lira à presidente da entidade. Como distrital da base aliada do governo, o parlamentar age como um fiel escudeiro de Rollemberg, deixando de lado o compromisso que deveria ter com o trabalho da Comissão.

 

“Lira tem a missão de livrar a cara do governo. Parlamentares trabalham com a verdade e Lira trabalhou como um capaz do governador. Estamos diante de um relatório totalmente tendencioso. Os demais deputados encontraram indícios e essas denúncias não terão o mesmo destino na Justiça. Quero ver ele manter essa farsa diante da Lei. Como subserviente de Rollemberg, ele cumpre com excelência o papel de acobertar a base aliada, lembra Marli Rodrigues.

Politiquês - 13/05/2017 - 08:12:46 

Fonte: Assessoria de imprensa de Marli Rodrigues

Com pontes feitas com massa espaguete, estudantes do ensino superior do DF concorrem, nesta sexta-feira (19/5), às 10h, ao prêmio de R$ 1.000 na competição realizada pela Universidade Católica de Brasília

A 6ª Competição da Ponte de Macarrão, realizada pelo Grupo PET (Programa de Educação Tutorial) - Estruturas do curso de Engenharia Civil, da Universidade Católica de Brasília (UCB), acontecerá no dia 19 de maio, às 10h, no Auditório Central do Câmpus I, em Taguatinga. Aberto ao público e gratuito, a intenção é atrair jovens do ensino superior para a área de engenharia com o desenvolvimento de sistemas estruturais simples. 

A coordenadora do curso de Engenharia Civil, professora Glauceny Cirne de Medeiros, explica que, com o amadurecimento da competição, “foi possível conseguir todo o macarrão para o evento, que foi patrocinado pela empresa de massas Barilla. Estamos na expectativa de, mais uma vez, poder bater o recorde de 195 kg”.

Desafio 

Nesta edição, 38 equipes se apresentarão e a exigência é entregar as pontes construídas na Instituição na tarde do dia 18 de maio, na sala M-002, para verificação das dimensões e avaliação do cumprimento das especificações no edital. Estudantes de diversas universidades, faculdades e centros universitários do DF vão participar da competição que premiará os melhores projetos de estruturas de pontes − capazes de suportar, no mínimo, 2 kg – feitas com macarrão do tipo espaguete, colas epóxi tipo resina e cola quente de silicone. Os grupos, formados por até cinco estudantes, concorrerão a prêmios no valor de R$ 1.000 (vencedor) e R$ 500 (2º lugar). De acordo com edital, a estrutura da obra deve ter até 1 kg de peso, 1 metro de extensão e 50 cm de altura.

Serviço

VI Competição da Ponte de Macarrão

Quando: sexta-feira, dia 19 de maio de 2017, às 10h

Onde: Auditório do Bloco Central, Câmpus I, Taguatinga

Endereço: QS 07 Lote 01 EPCT, Águas Claras - CEP: 71966-700 - Taguatinga/DF

Entrada: Gratuita

 

Mais informações: Este endereço de email está sendo protegido de spambots. Você precisa do JavaScript ativado para vê-lo. | 3356-9412

Norma inclui na categoria pessoas com impedimentos que obstruam a participação social em igualdade de condições

Uma lei distrital publicada no último mês altera a definição do que são pessoas com deficiência perante o Estatuto do Portador de Necessidades Especiais e da Pessoa com Deficiência do DF. O projeto inclui no grupo as pessoas “que têm impedimentos de longo prazo de natureza física, mental, intelectual ou sensorial, os quais, em interação com diversas barreiras, podem obstruir sua participação plena e efetiva na sociedade em igualdade de condições com as demais pessoas”.

Até então, o estatuto abarcava apenas pessoas com necessidades especiais e com deficiência de que tratam a Constituição Federal e a Lei Orgânica do Distrito Federal. Com a alteração da norma, também entram na categoria quem tenha alguma condição que impeça a participação social em condição de igualdade com os outros.

De autoria do deputado distrital Juarezão (PSB), o projeto foi publicado em Diário Oficial do DF no último dia 28 de abril. A proposta havia sido vetada pelo governador Rodrigo Rollemberg, mas foi mantida pela Câmara Legislativa.

Passe livre
Na mesma data, uma outra lei referente a portadores de necessidades especiais também foi publicada no Diário Oficial. A norma prevê a ampliação do prazo de recadastramento do passe livre para indivíduos com deficiência. Com a publicação da lei, o período de renovação dos dados passa a ser de cinco anos. Antes, deveria ser feita a cada dois anos.

O projeto, de autoria do deputado Júlio César (PRB), também havia sido vetado por Rollemberg. Mas essa canetada também foi derrubada pela CLDF.

Da Redação do portal Metrópoles - 04/05/2017 19:38

 

 

Capacitação na Casa da Mulher Brasileira tem como objetivo principal dar oportunidades profissionais a mulheres como Zenilda Barbosa Fernandes, uma das certificadas

Por Agência Brasília Foto: Reprodução/Divulgação/ Toninho Tavares/Agência Brasília - 02/05/2017 - 17:42:57

A Casa da Mulher Brasileira entregou 20 certificados para vítimas de violência doméstica nesta terça-feira (2). Elas se formaram em massoterapia, capacitação oferecida pela Secretaria do Trabalho, Desenvolvimento Social, Mulheres, Igualdade Racial e Direitos Humanos.

O curso foi um complemento do módulo básico da técnica, que as alunas já haviam concluído em 2016, pelo Programa Nacional de Acesso ao Ensino Técnico e Emprego (Pronatec) Mulheres Mil, do Ministério da Educação.

Na ocasião, elas tiveram 40 horas de aulas e contaram com quatro especializações em estética: drenagem linfática pós-operatório, argiloterapia, gessoterapia e limpeza de pele.

Zenilda Barbosa Fernandes, de 55 anos, foi uma das certificadas pela Casa da Mulher Brasileira hoje. Ela foi acolhida em junho de 2016 depois de ter passado por violências física, verbal e moral cometidas pelo parceiro com quem morava havia sete anos. Com uma profissão, ela passa a ter perspectiva de entrar para o mercado de trabalho, pois, antes, o agressor a impedia de ter independência.

Hoje, ela está instalada em uma unidade de acolhimento de mulheres vítimas de violência e garante que, quando tiver na própria casa, vai começar a atender clientes. “É como se eu resgatasse todos aqueles anos perdidos que eu passei com ele”, disse. “A minha superação veio foi por causa dos cursos, eu me sinto muito forte agora.”

A solenidade contou com a presença da secretária adjunta de Políticas para as Mulheres, Igualdade Racial e Direitos Humanos, Márcia de Alencar. “A partir do processo de profissionalização, elas podem reverter essa situação de vulnerabilidade para que no futuro ocupem bons postos no mercado de trabalho”, disse.

Parceria com a sociedade
O segundo curso, concluído neste ano, contou com o apoio da Embaixada da Austrália, que fez um evento beneficente para custear o material e o auxílio-transporte das alunas. Servidores do Banco do Brasil também se organizaram para comprar os jalecos. Além dessas parcerias, o grupo Salto Alto ministrou uma oficina de empreendedorismo para as alunas.

A fisioterapeuta Anna Izabel do Carmo, professora do curso da Secretaria do Trabalho, afirma que a capacitação continuada aprimorou o que muitas alunas já haviam aprendido no curso anterior. “Muitas delas chegaram amuadas e agora estão de cabeça erguida e confiantes para atender clientes.”

As participantes ganharam com o certificado do curso um kit para dar início ao trabalho. São materiais como argila, gesso, algodão, jalecos. Assim, elas já podem fazer os primeiros atendimentos sem custo algum.

As mulheres contempladas foram encaminhadas pela Casa da Mulher Brasileira e pelo Centro de Atendimento à Mulher de Ceilândia.

Casa da Mulher Brasileira


SGAN 601, Lote J, Plano Piloto (atrás do Serpro)
(61) 3224-6221
Centro de Atendimento à Mulher de Ceilândia
QNM 2, Conjunto F, Lotes 1/3
(61) 3373-6668
Disque Denúncia local
156, opção 6
Disque Denúncia nacional
180 

 

 

Medida será votada nesta quarta-feira (26) pela Câmara

Por Noticias ao Minuto Foto: Reprodução/Divulgação/Camila Domingues/ Palácio Piratini - 26/04/2017 - 10:21:27

A comissão especial da Câmara dos Deputados aprovou nesta terça-feira (25) o Projeto de Lei 6787/16 na versão apresentada pelo relator, deputado Rogério Marinho (PSDB-RN). O texto seguirá para votação no Plenário nesta quarta-feira (26).

Confira os principais pontos:

Negociação

Negociação entre empresas e trabalhadores vai prevalecer sobre a lei para pontos como: parcelamento das férias em até três vezes; jornada de trabalho, com limitação de 12 horas diárias e 220 horas mensais; participação nos lucros e resultados; jornada em deslocamento; intervalo entre jornadas (limite mínimo de 30 minutos); extensão de acordo coletivo após a expiração; entrada no Programa de Seguro-Emprego; plano de cargos e salários; banco de horas, garantido o acréscimo de 50% na hora extra; remuneração por produtividade; trabalho remoto; registro de ponto.

No entanto, pontos como fundo de garantia, salário mínimo, 13º salário e férias proporcionais não podem ser objeto de negociação.

Fora da negociação

As negociações entre patrões e empregados não podem tratar de FGTS, 13º salário, seguro-desemprego e salário-família (benefícios previdenciários), remuneração da hora de 50% acima da hora normal, licença-maternidade de 120 dias, aviso prévio proporcional ao tempo de serviço e normas relativas à segurança e saúde do trabalhador.

Trabalho intermitente

Modalidade pela qual os trabalhadores são pagos por período trabalhado. É diferente do trabalho contínuo, que é pago levando em conta 30 dias trabalhados, em forma de salário. O projeto prevê que o trabalhador receba pela jornada ou diária, e, proporcionalmente, com férias, FGTS, previdência e 13º salário.

Fora do trabalho intermitente

Marinho acatou emendas que proíbem contratação por meio de contrato de trabalho intermitente de profissionais que são disciplinados por legislação específica. A mudança foi pedida pelo Sindicato Nacional dos Aeronautas e vale para todas as categorias regidas por lei específica.

Rescisão contratual

O projeto de lei retira a exigência de a homologação da rescisão contratual ser feita em sindicatos. Ela passa a ser feita na própria empresa, na presença dos advogados do empregador e do funcionário – que pode ter assistência do sindicato. Segundo o relator, a medida agiliza o acesso do empregado a benefícios como o saque do FGTS.

Trabalho em casa

Regulamentação de modalidades de trabalho por home office (trabalho em casa), que será acordado previamente com o patrão – inclusive o uso de equipamentos e gastos com energia e internet.

Representação

Representantes dos trabalhadores dentro das empresas não precisam mais ser sindicalizados. Sindicatos continuarão atuando nos acordos e nas convenções coletivas.

Jornada de 12 x 36 horas

O projeto estabelece a possibilidade de jornada de 12 de trabalho com 36 horas de descanso. Segundo o relator, a jornada 12x36 favorece o trabalhador, já que soma 176 horas de trabalho por mês, enquanto a jornada de 44 horas soma 196 horas.

Ações trabalhistas

O trabalhador será obrigado a comparecer às audiências na Justiça do Trabalho e arcar com os custos do processo caso perca a ação. Hoje, o empregado pode faltar a até três audiências judiciais.

Terceirização

O projeto propõe salvaguardas para o trabalhador terceirizado, como uma quarentena de 18 meses para impedir que a empresa demita o trabalhador efetivo para recontratá-lo como terceirizado.

Contribuição sindical

A proposta torna a contribuição sindical optativa. Atualmente, o pagamento é obrigatório para empregados sindicalizados ou não. O pagamento é feito uma vez ao ano, por meio do desconto equivalente a um dia de salário do trabalhador.

Sucessão empresarial

O projeto prevê que, no caso em que uma empresa adquire outra, as obrigações trabalhistas passam a ser de responsabilidade da empresa sucessora.

Ambiente insalubre

Marinho acatou emenda sugerida pela deputada Laura Carneiro (PMDB-RJ) que permite o trabalho de mulheres grávidas em ambientes considerados insalubres, desde que a empresa apresente atestado médico que garanta a saúde da funcionária. No substitutivo, o relator defende que o afastamento de mulheres grávidas de ambientes de trabalho considerados insalubres discrimina as mulheres, que assim têm seu salário reduzido, além de desestimular a contratação de mulheres.

Justiça do Trabalho

O projeto torna mais rigorosos os pressupostos para uma ação trabalhista, limita o poder de tribunais de interpretarem a lei e onera o empregado que ingressar com ação por má fé. Em caso de criação e alteração de súmulas nos tribunais, por exemplo, passa a ser exigida a aprovação de ao menos dois terços dos ministros do Tribunal Superior do Trabalho. Além disso, a matéria tem que ter sido decidida de forma idêntica por unanimidade em pelo menos dois terços das turmas, em pelo menos dez sessões diferentes.

Regime parcial

O parecer do relator estabelece que trabalho em regime de tempo parcial é de até 30 horas semanais, sem a possibilidade de horas suplementares por semana, ou de 26 horas por semana – neste caso com a possibilidade de 6 horas extras semanais. As horas extras serão pagas com o acréscimo de 50% sobre o salário-hora normal. Atualmente, trabalho em regime de tempo parcial é aquele que tem duração máxima de 25 horas semanais e a hora extra é vedada.

Multa

Na proposta original, apresentada pelo governo, a multa para empregador que mantém empregado não registrado era de R$ 6 mil por empregado, valor que caía para R$ 1 mil para microempresas ou empresa de pequeno porte. Em seu parecer, porém, Rogério Marinho reduziu o valor da multa, respectivamente, para R$ 3 mil e R$ 800. Atualmente, a empresa está sujeita a multa de um salário mínimo regional, por empregado não registrado, acrescido de igual valor em cada reincidência.

Recontratação

O texto modifica o substitutivo anterior para proibir uma empresa de recontratar, como terceirizado, o serviço de empregado demitido por essa mesma empresa. Modifica a Lei 6.019/74.

Pessoas com deficiência

O projeto retira da base de cálculo do percentual da cota para contratação de pessoas com deficiência pelas empresas funções “cujo exercício seja incompatível com pessoas com deficiência ou reabilitadas”. Ele remete a definição dessas funções à negociação coletiva e, na ausência de norma coletiva, ao Ministério do Trabalho. Rogério Marinho também elenca condições em que as empresas ficam isentas de multa se não alcançarem o percentual mínimo.

Tempo de deslocamento

O tempo despendido pelo empregado até o local de trabalho e para o seu retorno, por qualquer meio de transporte, não será computado na jornada de trabalho. A CLT, hoje, contabiliza como jornada de trabalho deslocamento fornecido pelo empregador para locais de difícil acesso ou não servido por transporte público. Segundo Rogério Marinho, o dispositivo atual desestimula o empregador a fornecer transporte para seus funcionários.

Acordos individuais

Os trabalhadores poderão fazer acordos individuais sobre parcelamento de férias, banco de horas, jornada de trabalho e jornada em escala (12x36).

Banco de horas

A lei atual permite o banco de horas: a compensação do excesso de horas em um dia de trabalho possa ser compensado em outro dia, desde que não exceda, no período máximo de um ano, à soma das jornadas semanais de trabalho previstas, nem seja ultrapassado o limite máximo de dez horas diárias. O substitutivo permite que o banco de horas seja pactuado por acordo individual escrito, desde que a compensação se realize no mesmo mês.

Trabalhador que ganha mais

Relações contratuais firmadas entre empregador e empregado portador de diploma de nível superior e que receba salário mensal igual ou superior a duas vezes o limite máximo dos benefícios do Regime Geral de Previdência Social prevalecem sobre o que está escrito na CLT.

Demissão

O substitutivo considera justa causa para rescisão do contrato de trabalho pelo empregador a perda da habilitação ou dos requisitos estabelecidos em lei para o exercício da profissão pelo empregado. Rogério Marinho acatou emenda que condiciona essa demissão “caso haja dolo na conduta do empregado”.

Custas processuais

Nos dissídios individuais e nos dissídios coletivos do trabalho, nas ações e procedimentos de competência da Justiça do Trabalho, bem como nas demandas propostas perante a Justiça Estadual, no exercício da jurisdição trabalhista, as custas relativas ao processo terão valor máximo de quatro vezes o teto dos benefícios do Regime Geral da Previdência Social, que em valores atuais corresponde a R$ 22.125,24.

Justiça gratuita

O projeto permite aos juízes, órgãos julgadores e presidentes dos tribunais do trabalho de qualquer instância conceder o benefício da justiça gratuita a todos os trabalhadores que perceberem salário igual ou inferior a 40% do limite máximo dos benefícios do Regime Geral de Previdência Social. A proposta anterior estabelecia limite de 30%.

Tempo de trabalho

O substitutivo altera o artigo 4º da CLT para desconsiderar da jornada de trabalho as atividades que o trabalhador realiza no âmbito da empresa como: descanso, estudo, alimentação, atividade social de interação entre colegas, higiene pessoal e troca de uniforme.

Jornada excedente

Hoje, a CLT permite que a jornada de trabalho exceda o limite legal (8 horas diárias e 44 semanais) ou convencionado se ocorrer necessidade imperiosa. A duração excedente pode ser feita se o empregador comunicar a necessidade à autoridade competente dez dias antes. O projeto acaba com essa obrigação. Com informações do Portal da Câmara dos Deputados.

 

 

Moradores da região deverão buscar seus novos títulos, que serão usados nas eleições de 2018, na 17ª Zona Eleitoral, na Praça nº 2, Lote 6 do Setor Central
Os eleitores que tinham como domicílio eleitoral a 4ª Zona, no Gama, precisam ficar atentos. O Tribunal Regional Eleitoral do Distrito Federal (TRE-DF) informou nesta terça-feira (25/4) que a circunscrição foi remanejada para Santa Maria. Agora, os eleitores do Gama serão realocados e deverão buscar seus novos títulos — que serão usados nas eleições gerais de 2018 — na 17ª Zona Eleitoral, na Praça nº 2, Lote 6 do Setor Central.

De acordo com o TRE, a decisão foi tomada por motivos econômicos, "tendo em vista o baixo índice de atendimento ao eleitor na antiga 4ª Zona Eleitoral". Com a mudança, a sede da 4ª Zona passará a funcionar na CL 207 de Santa Maria.

Confira como fica a área de abrangência das duas zonas eleitorais: 

4ª Zona Eleitoral — Santa Maria (Chácara San Francisco, Chapéu de Pedra, Ecológico Parque do Mirante, Jardim Atlântico Sul, Mansões Flamboyant, Mirantes das Estrelas, Porto Rico, Privê Lago Sul, Quinta da Boa Vista, Quinta das Flores, Quintas do Trevo, Residencial Querência, Residencial Santa Maria, Residencial Santos Dumont, San Francisco II, Santa Bárbara, Santa Mônica, Vila DVO, Núcleo Rural Alagado, Colônia Agrícola Visconde Inahúma, Áreas Isoladas Água Quente, Áreas Isoladas Santa Bárbara e Área Alfa).
 
17ª Zona Eleitoral —  Gama (Setores Leste, Oeste, Sul, Norte, Industrial e Central), Zonas Rurais (Tamanduá, EMBRAPA, Córrego Barreiro, Ponte Alta de Baixo, Ponte Alta de Cima, Engenho das Lages, Cerâmica São Paulo, Casa 
Grande e Cachoeirinha).
 
 
Foto: Reprodução 
 
Correio Braziliense - 26/04/2017 00:33 / atualizado em 26/04/2017 00:40


Campeão do Mundo em 2002, bi-campeão da Copa das Confederações (2005 e 2009) e Superclássico das Américas em 2014, defendendo a Seleção Brasileira. Pelo São Paulo, clube que o revelou no cenário nacional, venceu um Torneio Rio-São Paulo, em 2001. Na Europa, uma Champions League e o Mundial de Clubes pelo Milan e o Campeonato Espanhol, duas vezes, pelo Real Madrid. Foi além. Em 2007, foi eleito o melhor jogador do mundo. Em 35 anos de vida, mais da metade dentro do futebol, Ricardo Izecson dos Santos Leite, o Kaká, foi mais que um multicampeão, um ídolo identificado com a Amarelinha.

Nascido em Gama, no Distrito Federal, Kaká foi criado em São Paulo, onde começou a carreira no futebol. No São Paulo, jogou nas categorias de base e estreou pelo profissional em 2001. O primeiro jogo foi diante do Botafogo, no Morumbi, e a primeira vez que balançou as redes foi na segunda partida, quando o tricolor venceu o Santos por 4 a 2.

Em 2003,chegou ao Milan, onde fez uma campanha merecedora do prêmio de melhor jogador do Mundo, em 2007. De 2009 a 2013 defendeu o Real Madrid, mas voltou ao Milan para mais uma temporada. Em 2014, assinou com o Orlando City e, no mesmo ano, foi emprestado para o São Paulo. Atualmente, é a estrela maior da equipe americana.

Kaká também se destacou fora dos gramados. Em 2004, tornou-se o mais novo embaixador da Organização das Nações Unidas para o Programa Alimentar Mundial. Foi considerado pela Revista Época um dos 100 brasileiros mais influentes do ano de 2009.

A Confederação Brasileira de Futebol parabeniza Kaká e agradece por ter defendido de forma brilhante a Seleção, assim como a representatividade que tem para o futebol mundial. Parabéns, Kaká!

Confira a ficha técnica:

Nome: Ricardo Izecson dos Santos LeiteData de nascimento: 22/04/1982Natural de: Gama, Distrito Federal (DF)Posição: meiaTítulos: Seleção Brasileira: Copa do Mundo FIFA (2002), Copa das Confederações (2005 e 2009) e Superclássico das Américas (2014); São Paulo: Torneio Rio-São Paulo (2001); Milan: Serie A (2003 e 2004), Supercoppa Italiana (2004), UEFA Champions League (2006 e 2007), UEFA Super Cup (2003 e 2007), Copa do Mundo de Clubes da FIFA (2007), Supercopa da Itália (2004), Trofeo Luigi Berlusconi (2005, 2006, 2007 e 2008); Real Madrid: Copa del Rey (2010 e 2011), Campeonato Espanhol (2011 e 2012), Troféu Santiago Bernabéu (2009, 2011, 2012 e 2013), Supercopa da Espanha (2012), Troféu Teresa Herrera (2013).Prêmios individuais: Ballon d’Or: 2007; Onze d’Or: 2007; Melhor jogador do mundo pela World Soccer: 2007; Melhor jogador do mundo pela FIFPro: 2007; FIFPro World XI: 2006, 2007, e 2009; Seleção da FIFA: 2006, 2007, 2008 e 2009; Melhor jogador do mundo pela FIFA: 2007; Bola de Ouro da Copa das Confederações da FIFA: 2009; Time Ideal da Copa das Confederações: 2009. Bola de Ouro da Copa do Mundo de Clubes da FIFA: 2007; Melhor jogador da final da Copa do Mundo de Clubes da FIFA: 2007; Melhor construtor de jogo do Mundo da IFFHS: 2007. Jogador com mais assistências na Copa do Mundo da FIFA de 2010; Melhor Atacante da UEFA: 2007; Jogador do Ano pela UEFA: 2007; Melhor Meia da UEFA: 2005; Seleção da UEFA: 2006, 2007 e 2009; Time ideal da Europa (L’Équipe): 2005 e 2007; Time Ideal da América (El País): 2002; Jogador com mais assistências na Champions League: 2011 e 2012. Troféu Samba de Ouro: 2008; Oscar del Calcio Melhor jogador estrangeiro: 2004, 2006 e 2007; Oscar del Calcio Melhor jogador: 2004 e 2007; Bola de Prata Italiana: 2007; Bola de Ouro da Revista Placar: 2002; Bola de Prata da Revista Placar: 2002; Esportista Latino do Ano pela IAAF: 2007; Time Ideal da Copa Ouro CONCACAF: 2003.Artilharias: UEFA Champions League: 2006-07 (10 gols).Clubes: São Paulo (1999 a 2003 e 2014), Milan (2003 a 2009 e 2013 a 2014), Real Madri (2009 a 2013) e Orlando City (2014). Seleção Brasileira (2002) e Seleção Brasileira Sub-20 (2001 e 2002).

Fonte: Cenário MT - 22/04/2017 ÀS 08:15

Secretaria de Saúde assina novo atestado de incompetência e aponta superlotação para restringir atendimento de Pronto Socorro de Clínica Médica

Após suspender, no início de abril, o atendimento de emergência do Pronto Atendimento Infantil (PAI) do Hospital Regional do Gama (HRG), a Secretaria de Estado de Saúde do DF (SES-DF) passou a restringir, na quarta-feira (19/Abr), o acesso aos serviços do Pronto Socorro de Clínica Médica na unidade.

Por meio do Memorando 584/2017, assinado pela supervisora do HRG, Maria Dulceline C. Cavalcanti, informou a restrição de atendimento de emergência na clínica médica, por período indeterminado.

“Comunicamos que o Pronto Socorro de Clinica Médica/HRG está com suas atividades restritas por período indeterminado, em virtude de superlotação em que se encontra, até que se diminua o número de pacientes dentro das dependências deste Nosocômio.”.

Reação

Para o presidente do Sindicato dos Médicos do DF (SINDMÉDICO-DF), Gutemberg Fialho, a SES-DF assina mais um atestado de incompetência.

“Como se não bastasse aquela trapalhada do governador [Rodrigo Rollemberg (PSB)] e do secretário de saúde [ Humberto Lucena Pereira da Fonseca] reinaugurar o Pronto Atendimento Infantil e suspender o serviço com menos de um mês, agora a Secretaria de Saúde vai negar atendimento as pessoas que precisarem de emergência no Hospital do Gama?”, questionou Fialho.

A outra parte

Política Distrital questionou a SES-DF sobre a restrição do serviço e a orientação aos usuários que precisem de atendimento de emergência no HRG. Por meio da Assessoria de Comunicação (ASCOM), a pasta se limitou a confirmar a suspensão do serviço.

“A Direção do Hospital Regional do Gama informa que a internação de pacientes está restrita, uma vez que a enfermaria da Clínica Médica está com um número elevado de pacientes. A medida se fez necessária para garantir um atendimento de qualidade aos usuários do HRG. A Direção esclarece que, com a restrição no atendimento, apenas casos de urgência serão recebidos.”.

Fonte: Política Distrital - 21/04/2017

Forró, maracatu, rock e reggae reuniram 4 mil pessoas na noite desta sexta (21) para comemorar o aniversário da capital federal. A cantora Elba Ramalho fechou a sequência de quatro shows


Elba Ramalho fechou a primeira noite de shows em comemoração aos 57 anos de Brasília. Foto: Gabriel Jabur/Agência Brasília

A celebração do aniversário de Brasília foi agitada na noite desta sexta-feira (21). O palco da Torre de TV recebeu quatro apresentações para homenagear os 57 anos da capital do País. Com apenas 4 minutos de atraso, às 18h04, a forrozeira Dona Gracinha da Sanfona abriu a sequência de shows. Em seguida, a banda Ciclone na Muringa trouxe a mistura de ritmos populares, como maracatu, coco e baião a sonoridades do rock e do reggae.

Às 20h10, a banda convidada Dê um Rolê, de São Paulo, fez um tributo aos Novos Baianos. Para fechar a noite, a cantora Elba Ramalho subiu ao palco às 22h01 com o show O Carnaval do Brasil. Atração principal do dia, ela disse que tem uma relação muito positiva com o público brasiliense. “Sempre que venho aqui, os teatros lotam”, brincou.

Elba Ramalho lembrou de quando participou da festa do Maior São João do Cerrado em Ceilândia no ano passado e disse se sentir honrada em cantar no aniversário da capital. “Sei que aqui tem uma comunidade nordestina muito grande e quero agradar quem gosta de forró.”

Os intervalos das atrações de hoje — haverá outras quatro no sábado — foram animados com o som do DJ Nagô.

"Tudo isso é para fazer uma festa que seja a cara de Brasília, com estilos diferentes que representam as pessoas que compõem o sotaque desta cidade", disse Guilherme Reis, secretário de Cultura


Show e lançamento do vídeo clip da Banda Ciclone na Muringa, da região administrativo do Gama - RAII


A banda Dê um Rolê fez tributo aos Novos Baianos. Foto: Gabriel Jabur/Agência Brasília

Segundo a Secretaria da Segurança Pública e da Paz Social, 4 mil pessoas aproveitaram a festa. Para garantir a segurança, a corporação mobilizou o efetivo de 129 PMs.

Durante toda a noite, houve registro de quatro ocorrências de porte e uso de entorpecente. Os infratores foram encaminhados à 5ª Delegacia de Polícia e liberados. Também houve um furto de veículo, e um motorista autuado por embriaguez no estacionamento da Torre foi liberado após pagar fiança.

O secretário de Cultura, Guilherme Reis, destacou a diversidade de tendências na escolha dos músicos. “Tivemos o cuidado de pensar em uma festa com várias misturas, com os novos baianos, o pagode de São Paulo, as músicas do Raça Negra [que se apresenta neste sábado], o mais ‘interiorzão’ do Renato Teixeira [que toca na Praça dos Três Poderes no domingo] e a Elba, com um estilo que é único”, enumerou.

“Tudo isso é para fazer uma festa que seja a cara de Brasília, com estilos diferentes que representam as pessoas que compõem o sotaque desta cidade.”

Turistas e moradores da cidade prestigiaram a festa

O bancário Geraldo Meneses, de 53 anos, mora em Brasília há 18 anos e conta que participa das festividades desde então. Este ano para ele foi ainda mais especial. O filho Rômulo Bagano, médico de 28 anos, que reside em Salvador (BA), aproveitou o feriado nacional de Tiradentes para estar com a família e trouxe a esposa, a médica Patrícia Fontes, de 29 anos. “Queríamos passar pela Torre, ver a vista do mirante, que ela não conhecia.”

Em Brasília há 40 anos, o casal de aposentados Iracema e Augusto Guedes, ambos de 64 anos, também subiu no mezanino para apreciar de cima as primeiras apresentações. Eles disseram que costumam ir a eventos nos espaços públicos da cidade.

Moradoras da capital há apenas um ano, as amigas Lizely Borges, de 34 anos, e Deborah Ribeiro Nogueira, de 27 anos, comemoram o aniversário de Brasília pela primeira vez e estavam empolgadas com a festa. “São shows que evocam uma memória do brasileiro. Tem uma música que a Elba canta que marcou muito um momento da minha vida, o meu casamento”, contou a jornalista Lizely.

Para a engenheira Deborah, o grande momento da celebração no fim de semana será neste sábado (22), com os pagodeiros do paulistano Raça Negra. As duas planejam participar dos três dias das festividades.

Comemoração dos 57 anos vai até domingo

A festa de aniversário de Brasília continua no fim de semana. Às 18h20 deste sábado (22), as atrações começam com grupo Boi de Seu Teodoro, patrimônio cultural do DF. Depois, é a vez do Trio Siridó, com zabumba, triângulo e sanfona para o show de forró.

Ainda amanhã, a sambista Cris Pereira canta às 20h40, e os pagodeiros do Raça Negra fecham a noite às 22 horas. Nos intervalos entre as apresentações, o DJ Barata mantém a animação.

No domingo (23), a programação fica a cargo da Orquestra Sinfônica do Teatro Nacional Claudio Santoro, que inicia às 17h30 o concerto especial para os 57 anos de Brasília. Os músicos estarão acompanhados de jovens de projetos musicais socioeducativos.

Artistas escolhidos por meio de chamamento público

Os artistas que se apresentam hoje e amanhã na Torre de TV foram escolhidos por meio de chamamento público. A seleção definiu atividades que vão até 29 de abril.

De acordo com a Secretaria de Cultura, foram destinados R$ 263 mil no chamamento público para as 28 atividades propostas na programação e mais R$ 10 mil na contratação do grupo Boi de Seu Teodoro.

O custo total para a contratação dos artistas nacionais será de R$ 327 mil. Ainda segundo a pasta, o valor total do evento, considerando gastos com infraestrutura, cachês, passagens aéreas e exposições, ficou em aproximadamente R$ 1,8 milhão.

Galeria de fotos. Clique aqui! 

JADE ABREU, DA AGÊNCIA BRASÍLIA - 21/4/17

 

Eles receberão credencial com acesso ao evento e barraca individual. Prazo para se candidatar vai até 2 de maio. Estudante de publicidade, Lisa Rodrigues já se inscreveu

A Campus Party Brasília selecionará 45 voluntários para atuar no evento de 14 a 18 de junho, no Centro de Convenções Ulysses Guimarães. As inscrições estão abertas on-line e vão até 2 de maio. Os escolhidos atuarão por seis horas diárias na área de organização.

Antenada em áreas abordadas na Campus Party, como inovação e tecnologia, Lisa Caroline Rodrigues, de 21 anos, já se candidatou como voluntária.

É preciso ter mais de 18 anos e formação nas áreas de interesse. O voluntariado ofertado é em dois setores: Comunicação e Conteúdos. No primeiro, é importante estudar ou ter formação técnica ou universitária na área, pois o aprendizado será focado em assessoria de imprensa, redes sociais e fotografia.

Já os interessados por Conteúdos também podem ter atuação em áreas temáticas da Campus Party, como empreendedorismo, ciências, inovação, entretenimento e criatividade.

Voluntários receberão credencial e certificado
Todos os voluntários receberão credencial — com acesso ao evento mesmo fora do horário de atuação — e direito à área de camping em barraca individual. Além disso, ganharão auxílio-alimentação durante o turno do voluntariado, camiseta e certificado de participação como voluntário. O resultado da seleção será divulgado em 5 de maio no site.

Antenada em áreas abordadas na Campus Party, como inovação e tecnologia, Lisa Caroline Rodrigues, de 21 anos, já se candidatou como voluntária. Estudante do oitavo semestre de publicidade e propaganda do Centro Universitário Estácio, ela participou do evento na edição de Recife em 2014 e quer saber mais sobre os bastidores.

“Quero aprender mais sobre o evento, saber o que há por trás das palestras, dos workshops. [Se for selecionada,] sei que vou tirar boas experiências e conhecimento do voluntariado”, avalia. Para ela, é uma oportunidade de aliar trabalho na área com conteúdo em que tem interesse.

Segundo a organização da Campus Party Brasília, até terça-feira (18), 209 pessoas se inscreveram para serem voluntárias. Dessas, 90% são do Distrito Federal. As demais candidaturas vieram dos estados da Bahia, do Espírito Santo, de Minas Gerais e de São Paulo. Custos de deslocamento para Brasília ficam a cargo do próprio voluntário.

As dicas dos organizadores para quem quer se voluntariar é ter paixão pelo evento e interesse em aprender como é a organização da Campus Party. Além disso, é uma chance de ampliar a rede de contatos, tanto com outros campuseiros quanto com os palestrantes.

É com foco nisso que a estudante do terceiro semestre de engenharia de redes da Universidade de Brasília Isabela Lobato, de 19 anos, quer ser voluntária. “Eu me surpreendi e me identifiquei com a ideia ao participar da última edição em São Paulo”, conta.

Diretora de marketing da empresa júnior do curso, a EngNet Consultoria, ela tem interesse especial pela área de empreendedorismo: “Foi por meio da empresa júnior que soube de uma seleção e participei de um intercâmbio de inovação e empreendedorismo em São Paulo, Rio de Janeiro e Florianópolis”, conta. Durante a viagem, ela teve a oportunidade de participar da Campus.

Em 11 de junho, os voluntários passarão por treinamento presencial no Centro de Convenções Ulysses Guimarães. A participação é obrigatória, e quem não for será eliminado.

Últimos dias de venda de ingressos do primeiro lote da Campus Party Brasília
Até 30 de abril, estão disponíveis ingressos do primeiro lote para a edição de Brasília. Em 1º de maio, começa a venda do segundo lote.

Esta é a primeira vez que a cidade sedia o encontro, e a venda superou as expectativas nos primeiros dias. A ideia de trazer o evento, do qual o governo de Brasília é um dos organizadores, é fortalecer o ambiente de inovação e tecnologia local. No ano passado, a capital do País já recebeu uma Campus Day.

A experiência da Campus Party surgiu em 1997 na Espanha. Desde então, já percorreu países como Alemanha, Colômbia, Equador, El Salvador, Inglaterra e México. Chegou ao Brasil em 2008 e já teve edições em São Paulo (SP), no Recife (PE) e em Belo Horizonte (MG).

Para 2017, além de Brasília, estão previstos eventos em Salvador (BA), em agosto, e em Pato Branco (PR), em outubro.

Inscrições para voluntários da Campus Party Brasília
Até 2 de maio no site oficial
Resultado em 5 de maio
Campus Party Brasília
De 14 a 18 de junho
No Centro de Convenções Ulysses Guimarães
Ingressos pelo site oficial

Por Agência Brasília Foto: Reprodução/Divulgação/Tony Winston/Agência Brasília - 20/04/2017 - 15:37:07

O Rotary Club do Gama e a Casa da Amizade homenagearam no último dia 7, Sexta-feira, com o troféu Ariomar da Luz Nogueira, algumas personalidades que se destacaram em seus ramos de atuação na melhoria do bem estar da comunidade. A solenidade aconteceu na Quadra 25 do Setor Leste, às 20h.

O Mérito Profissional deste ano foi uma homenagem ao arquiteto, urbanista e artista plástico, Ariomar da Luz Nogueira. O troféu é a réplica de uma de suas artes, na forma de um periquito, conhecida nacionalmente e no exterior pela sua beleza e originalidade.

Ariomar idealizou esta arte com o objetivo de homenagear a Sociedade Esportiva do Gama quando foi campeã da segunda divisão em 1998, onde o símbolo de um periquito era um mascote. Tornando-se depois símbolo da agremiação esportiva e também da cidade. A escultura do pássaro verde erguida em tamanho gigante, ainda deu o nome ao entroncamento da DF-480 com a DF-001, batizado como “Balão do Periquito”.

Professor e gestor escolar, Arquiariano Bites Leão – Empresário Antônio Carlos de Souza Araújo – Enfermeira e auditora, Ana Cristina Martins Hanne Ferreira – Agente de correios, Antônio da Silva Pereira – 3º Sargento da PM, Célio Nicázio França – Jogador de futebol profissional, Demerval Almeida Lima – In memoriam da professora da rede pública de ensino do Gama, Leila Aguiar de Sousa – Agente de gestão de resíduos sólidos, Francisco Alves Morais – Agente social, Maria José Pereira Resende – Agente de vigilância ambiental, Marinete Pereira de Sousa – Agente de Trânsito, Moisés Ferreira Dias e finalmente, a técnica de política pública e gestão governamental, Solange Afonso de Freitas.

Além dos homenageados, convidados e dos representantes das entidades presentes, destacamos a presença da Administradora da cidade, professora Maria Antônia e do deputado distrital Raimundo Ribeiro.

Um pouco sobre o arquiteto Ariomar:

Ariomar da Luz Nogueira, nasceu em Babaçulandia/TO em veio para o DF em 1963, Inriquieto por natureza, não se contenta em aceitar o espaço do jeito que ele está, ele quer ir além e emprestar seu poder de transformação ao local onde habita, assim, sua residência, seu ateliê, seu bairro e a cidade que adotou como sua tem sua poesia em forma de monumentos.

Com a conquista do título da Série "B" pela Sociedade Esportiva do Gama em 1998, o artista foi convidado para homenagear aquele feito, o Periquito é a obra mais famosa de sua autoria e está em um lugar de destaque, no balão da entrada da cidade, que após a construção passou a se chamar Balão do Periquito.

Uma das suas grandes decepções como arquiteto foi ter sido convidado para fazer o projeto de reformulação do Estádio Bezerrão e depois de entregar todo o material ser surpreendido pela escolha de trabalho que acabou saindo muito mais oneroso e sem aproveitar da melhor forma os espaços existentes.

Ele lançou o livro Traços e Pinceladas que conta toda sua trajetória de vida e de suas obras, personagens do Gama e do Brasil que fizeram parte da sua vida, representados por caricaturas. Ariomar Nogueira foi uma das mentes mais pensantes da cidade e colocou seu dom em prol da comunidade gamense.

Da Redação Gama Cidadão com adaptações - 13/04/2017

Fonte e fotos do Jornal O Democrata. 




Ariomar morreu dia 29/11/2016, aos 69 anos de idade.

 

Escolhida na tarde desta sexta (7), Paula Jéssica Rodrigues vai representar o Recanto das Emas na final, em 20 de maio 

O núcleo do Serviço de Limpeza Urbana (SLU) do Recanto das Emas teve uma tarde diferente nesta sexta-feira (7). Logo na entrada, a movimentação de garis era percebida. No entanto, quatro chamavam a atenção.

Com batom, sombra e cabelos a postos, aguardavam o início da seletiva que escolheria as representantes do Recanto das Emas e do Riacho Fundo II na edição deste ano do concurso Miss Gari. Entre elas estava Paula Jéssica Gomes Rodrigues, de 28 anos, que até então não havia participado de concursos desse tipo.

“Estou me sentindo uma princesa. Já fui muito discriminada, principalmente para procurar emprego. Várias portas se fecharam para mim porque falaram que eu não tinha beleza nem roupas bonitas”, disse a trabalhadora, ao destacar que gosta do que faz e da profissão que tem.

Enquanto as candidatas posavam para fotos, o júri formado pelos colegas de trabalho chegava para o momento da escolha. “Mesmo se não ganhar, eu já sou realizada”, completou Paula Jéssica.

A final do concurso, em 20 de maio, será a partir das 19h30, no auditório do Centro Cultural do Taguaparque

Mas não foi o que ocorreu minutos depois, na seletiva. Com os votos representados por palmas, os colegas a escolheram para representar o Recanto das Emas na final, em 20 de maio.

Das oito concorrentes inscritas, quatro desistiram de participar. Não foi o caso de Edinalva Gomes Silva, de 35 anos. Também estreante nesse tipo de competição, ela foi eleita pelos colegas a representante do Riacho Fundo II na disputa. “Uma emoção muito grande. Era só uma brincadeira e se tornou realidade”, disse, sorridente.

Seletivas para o Miss Gari começaram em março

As seletivas regionais ocorrem desde 31 de março. Na próxima semana, haverá quatro semifinais: na segunda-feira (10), em Santa Maria; na terça (11), no Gama; na quarta (12), em Taguatinga; e na quinta (13), em Ceilândia.

Em Samambaia, a escolha foi ontem (6). A vencedora, Maria Eduarda Cezário de Barros, de 18 anos, esteve no Recanto das Emas hoje para prestigiar o evento. Estava acompanhada da mãe, a também gari Fernanda Cezário, de 38 anos.

Maria Eduarda, que está no primeiro emprego, vê no concurso uma oportunidade de valorização da mulher e de incentivo para a vida. “Não é um serviço leve, mas tenho orgulho de mim e do que eu faço”, disse ela, que sonha prosseguir com os estudos e formar-se em medicina.

A final do concurso, em 20 de maio, será a partir das 19h30, no auditório do Centro Cultural do Taguaparque.

DF promove Miss Gari desde 2015

A primeira edição do Miss Gari ocorreu em 2015. A ideia veio de Maria de Fátima Dias, de 48 anos, fiscal operacional da empresa Valor Ambiental, e a cada ano conta com um número maior de participantes. Desta vez, a expectativa é levar à final 30 concorrentes.

“Em todas as oportunidades que surgem, procuramos dar visibilidade aos garis para que possam ter reconhecimento profissional, além de um entretenimento”Kátia Campos, diretora-presidente do SLU

“Elas não sabem só limpar, elas também sabem desfilar. Atrás desse uniforme alaranjado, tem a beleza”, disse Maria de Fátima, ao destacar a valorização da mulher e da profissão de gari.

O pensamento é o mesmo da diretora-presidente do SLU, Kátia Campos: “Em todas as oportunidades que surgem, procuramos dar visibilidade aos garis para que possam ter reconhecimento profissional, além de um entretenimento”.

O Miss Gari 2017 é uma parceria da Vice-Governadoria do DF com o SLU e as empresas Valor Ambiental e Sustentare. Parceiros privados apoiam na organização do evento e nas premiações (ainda em definição).

Da Redação da Agência Brasília