Guilherme gosta de passear com a mulher e os filhos no Olhos D%u2019Água e concorda com a restrição (Antonio Cunha/CB/D.A Press)  
Guilherme gosta de passear com a mulher e os filhos no Olhos D´Água e concorda com a restrição


Preocupação

O professor Guilherme Santos, 41 anos, prefere os espaços públicos nos quais a entrada dos pets não é permitida, como o Parque Olhos D’Água. Ele diz que pensa no bem-estar dos filhos, Clara e Caio Santos, 4 e 2 anos, respectivamente. A mulher dele, a também professora Daniela Amato, 36, concorda e se preocupa com questões de higiene. “Mesmo que as pessoas recolham os dejetos, ainda tem o xixi. As crianças podem entrar em contato e se contaminar de alguma forma”, explica.

Guilherme concorda com a ideia de espaços separados para os cães. “O Parque da Cidade é muito grande, todos se encaixam ali. O ideal seria limitar os espaços destinados ao convívio dos cachorros”, ressalta o professor. Ele acrescenta que não tem nada contra os pets e pensa até em ter um cachorro em casa.

O que pode confundir os frequentadores dos espaços é que em alguns lugares, como o Jardim Botânico e o Parque Olhos D’água, a entrada dos cães é proibida independentemente de medidas como focinheiras ou coleiras, enquanto no Parque da Cidade a circulação ainda é livre de medidas rígidas.

O ambientalista Sérgio Monroe, coordenador do movimento Jardineiros do Planeta, explica que a diferença se dá pela classificação de reserva ecológica, na qual estão incluídos o Jardim Botânico, no Lago Sul, e o Parque Olhos D’Água, na Asa Norte. “Nesses espaços, animais domésticos não são permitidos para que não seja alterada a fauna local, predominantemente silvestre. Cães, por exemplo, podem adotar comportamentos selvagens, caçando tatus e outras espécies de pequeno porte. Existe também um risco para a saúde dos animais, que estarão em contato com vírus e doenças diferentes”, destaca Monroe.

Entenda o caso
Regras rígidas

No último dia 15, foi aprovado pela Câmara Legislativa do Distrito Federal um projeto de lei que impõe restrições à circulação de cães em todos os parques públicos do DF. A população reagiu quase que imediatamente, por meio de redes sociais e abaixo-assinados, pedindo que o governador Agnelo Queiroz (PT) vete a lei. A ex-deputada Luzia de Paula (PEN), autora do projeto, se justificou dizendo que o objetivo é trazer maior segurança aos frequentadores dos espaços. As principais mudanças preveem que a circulação dos pets fica restrita a áreas cercadas e isoladas. Além disso, os animais precisarão usar coleiras e focinheiras, independentemente de porte ou raça, e os responsáveis devem ser maiores de idade.


  O povo fala
Você é a favor ou contra o projeto de lei que quer restringir a entrada de cachorros em parques públicos?

 (Antonio Cunha/CB/D.A Press)  


Clésio Castro, 37 anos, médico
“Sou contra. Eu tenho cachorro, passeio com ele perto de casa e já o levei ao Parque da Cidade. Acho que a consciência das pessoas é mais importante que a proibição. Aonde você levar o cão, seja no parque seja perto de casa, serão necessários cuidados com a segurança ou com os dejetos do animal.”

 

 (Antonio Cunha/CB/D.A Press)  

José do Carmo Vitalino Pinto, 64 anos, aposentado
“Concordo plenamente com a proibição. O cachorro faz as suas necessidades pela grama e isso traz riscos à saúde das crianças que frequentam os parques. Eu gosto de cachorros, por isso acho que as pessoas precisam ter um espaço adequado em casa para esses animais.”

 

 (Antonio Cunha/CB/D.A Press)  

Márcia Arruda, 37 anos, psicanalista
“Apesar de concordar com alguns pontos, como a focinheira para os mais agressivos, sou contra esse projeto. O passeio é a forma que temos para desestressá-los. A Leka não se relaciona com outros cães, estamos aqui três vezes por mês, é o tempo que ela tem para relaxar.”

 

 (Antonio Cunha/CB/D.A Press)  

Cris Figueiroa, 39 anos, economista
“Acho que se, os donos seguirem certas regras, como usar focinheira para os cães de grande porte, usarem coleiras nos animais e recolherem a sujeira que eles deixam, não existe necessidade de fazer esse tipo de proibição. Não é isso que vai resolver.”

Fonte: Correio Braziliense

Adicionar comentário


Código de segurança
Atualizar