JBR - 18/01/2018

Maior campeão do Candangão, com 11 títulos, o Gama sonha em levantar a taça mais uma vez – a última foi em 2015 – e para isso fez a contratação mais impactante da temporada: o zagueiro Lúcio, pentacampeão do mundo com a Seleção Brasileira.

Aos 39 anos, Lúcio retorna ao futebol do Distrito Federal depois de 20 anos. Nesse tempo, o defensor brilhou com as camisas do Internacional, do Bayern de Munique, da Internazionale e da Juventus. E no currículo, títulos expressivos como a Liga dos Campeões e o Mundial de Clubes pela Inter, além do bicampeonato da Copa das Confederações (2005 e 2009) pelo Brasil.

Titular nos treinos da pré-temporada, Lúcio será o xerife do Gama no Candangão. “A expectativa é boa. Estou bem fisicamente e o sentimento é de satisfação por poder dar continuidade na minha carreira”, comemora o jogador, que nasceu em Planaltina e espera ajudar o futebol de Brasília a crescer. “Queremos dar mais visibilidade ao campeonato”, completou.

Pressão

O treinador do Gama é uma cara nova. Carlos Alberto Dias, ex-jogador de Botafogo e Vasco, foi o escolhido para comandar a equipe alviverde. “A responsabilidade é grande, há uma cobrança maior do que nas outras equipes por ter uma torcida grande, mas eu estou preparado”, explicou o técnico.

A estreia será contra o Bolamense, sábado, às 17h, no Bezerrão. E Carlos Alberto Dias descarta o favoritismo. “Eles também vão querer mostrar as suas ideias, as suas propostas, o seu estilo de jogo e nós também temos que estudar o adversário para que a gente não seja surpreendido”, analisou o treinador. “E o que eu falo para eles, a jornada não é fácil, obstáculos sempre vão existir, mas a gente tem que estar preparado para enfrentar as adversidades”, completou.


Alviverde aposta no Bezerrão

O Gama conquistou uma importante vitória fora das quatro linhas, no último dia 11 de janeiro. O Tribunal de Justiça Desportiva do Distrito Federal (TJD-DF) concedeu uma liminar favorável ao maior campeão do DF e derrubou a punição de três partidas longe do Bezerrão que havia sido dada ao alviverde após a confusão generalizada no clássico contra o Brasiliense, ainda no Candangão passado. “O torcedor tem que nos ajudar, nos apoiar. Eles tem que ser o nosso 12º jogador. Eu tenho certeza que, com isso, podemos sair com vitória”, comemorou Carlos Alberto Dias.

No último dia 12 de março, em jogo válido pela 9ª rodada do Candangão, Gama e Brasiliense disputavam os últimos minutos do clássico quando Nunes acertou uma cotovelada em Dudu Gago, dando início à confusão, que envolveu outros jogadores e as comissões técnicas das duas equipe.

Os torcedores invadiram o gramado e deram início a uma verdadeira batalha campal. A polícia precisou interviu com gás de pimenta, o que não impediu que alguns jogadores fossem agredidos. O árbitro Almir Camargo não teve escolha e encerrou a partida aos 44 minutos do segundo tempo, quando o jogo estava empatado em 1 x 1.

Leia amanhã sobre a preparação do time do Brasiliense

Beneficiado pelo título do Candangão de 2015, o Gama disputou a Copa do Brasil e a Copa Verde daquele ano. No primeiro, o alviverde foi eliminado pelo Santos na terceira fase e, no segundo, acabou vice-campeão.
Fabio Gama e Robston, dois atletas que estavam no clube em 2015, retornam ao time. Enquanto o primeiro passou por ABC, Campinense e Itabaiana-SE, o volante, revelado pelo Periquito, foi para o Brasiliense antes de rodar o Brasil. Ele jogou em diversas equipes, como Atlético-GO e Botafogo-RJ.
O título de maior destaque do clube foi a conquista da Série B do Brasileirão, em 1998. Na época, a equipe superou Botafogo-SP, Londrina-PR e Desportiva do Espírito Santo.

Adicionar comentário


Código de segurança
Atualizar