Agenda Cultural

As informações para esta seção são publicadas gratuitamente. O material de divulgação deve ser enviado com informações completas do evento (Inclusive data e preço), no mínimo cinco dias úteis antes de sua realização. Enviar email para: Este endereço de email está sendo protegido de spambots. Você precisa do JavaScript ativado para vê-lo.

Virada Viva terá dois dias de programação com contagem regressiva de Criolo

Oficinas, espetáculos circenses e música de vários estilos compõem a programação das festas gratuitas do Réveillon Virada Viva. Os eventos tradicionais ocorrerão no Museu Nacional da República (Esplanada dos Ministérios) e na Praça dos Orixás (Setor de Clubes Sul), a Prainha. Para o secretário de Cultura, Guilherme Reis, a programação expressa diversidade cultural. "Haverá oficinas para as crianças, espetáculos, músicas que vão do samba ao rap e valorização dos nossos artistas", destacou.

As apresentações musicais serão intercaladas por DJs selecionados por chamamento público. A programação de espetáculos circenses e oficinas será divulgada após o fim da seleção da secretaria.

A secretária-adjunta de Cultura, Nanan Catalão, definiu a programação como uma política de economia criativa, referindo-se às oficinas e aos espetáculos, nos dias 30 e 31 de dezembro. "Queremos fortalecer a identidade de Brasília e a criatividade em jovens e crianças", reforçou, na entrevista coletiva sobre as festividades, na tarde de sexta-feira (9). A pasta trabalha em parceria com a Secretaria Adjunta de Turismo para viabilizar uma feira de empreendedorismo criativo e a presença de food trucks.

Na avaliação do titular, o ano foi difícil, e a população merece se divertir. "Queríamos fazer muito mais, o que não é possível em tempos de crise, mas fechamos uma programação amorosa com a cidade e esperamos trazer um ambiente de felicidade e de esperança para 2017", disse Guilherme Reis.

Programação no Museu Nacional da República

Os sambistas cariocas do Fundo de Quintal abrem a programação musical às 18h, na praça do Museu Nacional. Às 19h20, toca a primeira banda local selecionada por meio do chamamento público. Às 20h, os brasilienses da Móveis Coloniais de Acaju fazem o seu show de despedida dos palcos. "Sabemos da afetividade da cidade com a banda, será um momento importante para os músicos e para Brasília", avaliou a Subsecretária de Políticas de Desenvolvimento e Promoção Cultural, Mariana Soares, também presente na coletiva.

O segundo grupo de Brasília escolhido pela secretaria dará sequência ao evento, às 21h20. A cantora Flora Matos, que começou a carreira na cidade e agora está radicada em São Paulo, entra no palco às 22h10, pouco antes da virada do ano.

O rapper paulista Criolo ficará encarregado de fazer a contagem regressiva antes dos fogos de artifício que vão celebrar a chegada de 2017. Ele toca das 23h20 à 0h20. O encerramento da festa será no ritmo do funk carioca, sob o comando da MC Carol, de Niterói (RJ). Os horários dos shows estão sujeitos a alterações, de acordo com o resultado do chamamento público.

OFICINAS e ESPETÁCULOS CIRCENSES

30/12

10h às 11h - Oficina de Sk8 - Gabriel Zago

11h10 às 12h - Apresentação Circense - Grupo Pilombetagem

12h às 12h20 - Oficina de malabares - Grupo Pilombetagem

31/12

10h - 11h - Oficina de DJ - DJ Hool Ramos

11h10 às 12h10 - Apresentação Circense - Cia. Rebote

15h às 16h - Oficina de DJ - DJ Hool Ramos

16h10 às 17h10 - Apresentação Circense - Cia. Rebote

SHOWS

18h45 às 19h25 – Zaktar (chamamento público)

DJ Ocimar (troca de palco)

19h45 às 20h45 – Móveis Coloniais de Acaju (show de despedida)

DJ Ocimar (troca de palco)

21h às 22h – Flora Matos

DJ Donna (troca de palco)

22h15 às 23h15 – Fundo de Quintal

DJ Donna (troca de palco)

23h35 às 0h45 – Criolo (com contagem regressiva)

0h às 0h10 – Show pirotécnico (10 minutos)

1h à 1h50 – MC Carol

Réveillon na Prainha

Cinco atrações locais, selecionadas via chamamento público, garantirão a festa da Praça dos Orixás, conhecida como Prainha, ao lado da ponte Honestino Guimarães, no Setor de Clubes Sul. O local é tradicionalmente reservado para cortejos de praticantes de religiões de matriz africana durante a virada do ano. Confira como será a programação:

19h05 - Thabata Lorena

20h - Grupo Cultural Obará

Cerimônias Religiosas

0h30 - Renata Jambeiro

1h25 - Fabinho Samba

2h20 - Máximo Mansur

Custos

O total de investimentos da Secretaria de Cultura para realização do Réveillon Virada Viva é de R$ 937.459,69. O valor é um pouco maior que o da virada de 2016, que custou R$ 860 mil. O valor para 2017, contudo, contempla muito mais atividades, incluindo mais shows, oficinas, feira criativa e espetáculos circenses. Confira quanto foi investido nas festas de Réveillon de Brasília nos anos anteriores:

2015: R$ 2,59 milhões

2014: R$ 1,65 milhão

2013: R$ 4 milhões

2012: R$ 8 milhões

Da Redação da Agência Brasília - 23/12/2016 / Republicado no Gama Cidadão - 25/12/2016 08:41

BANDA RA-II

Nesta quinta-feira (22), show com a banda RA-II, à partir das 21:00 horas, no Açaidera Lounge.

Couvert artístico: 5 reais.


Entrada do Gama, ao lado da Estação do BRT.


Da Redação do Gama Cidadão - 22/12/2016 08:03

O Gama recebe nesta quinta-feira o 15º Encontro de Folias de Reis do Distrito Federal, que será realizado nos dias 15, 16, 17 e 18 de dezembro, a partir das 18 horas, no estacionamento do Bezerrão.

A Folia de Reis, Reisado, ou Festa de Santos Reis é uma manifestação cultural religiosa festiva e classificada, no Brasil, como folclore; praticada pelos adeptos e simpatizantes do catolicismo, no intuito de rememorar a atitude dos Três Reis Magos — que partiram em uma jornada à procura do esconderijo do Prometido Messias (O Menino Jesus Cristo) — para prestar-lhe homenagens e dar-lhe presentes.

Administradora regional do Gama, Maria Antônia e os Três Reis Magos

O Centro Cultural de Capoeira Raízes do Brasil realiza o 18° Encontro das Américas, Europa e África de Capoeira, de 8 a 11 de dezembro, em Brasília e Formosa (GO).

CENTRO CULTURAL DE CAPOEIRA RAÍZES DO BRASIL - 09/12/2016 



Com a missão de difundir a cultura da Capoeira e das demais tradições afro-brasileiras esta edição do encontro reunirá capoeiristas de diversos lugares do mundo, como Noruega, Estados Unidos e São Tomé e Príncipe, promovendo assim o intercâmbio cultural por meio de palestras e seminários que abordarão temas atuais relacionados à educação, cultura, saúde e o desenvolvimento da Capoeira.

O Mestre Ralil, fundador da Associação de Capoeira Raízes do Brasil vai formar cinco mestres capoeiristas de estados diferentes durante o encontro, além de graduações de capoeiristas de outros países.

Ralil coordena a associação, que conta hoje com aproximadamente 500 alunos em Brasília e 11 mil integrantes no Brasil e no exterior. Além disso, ele treina e ministra aulas na sede do grupo, na capital federal.

Brasiliense, Ralil dedica-se à valorização e ao ensino da capoeira há mais de 30 anos. O grupo Raízes do Brasil nasceu em Brasília, em 1980 e é liderado pelo Mestre Ralil.

SERVIÇO

18° Encontro das Américas, Europa e África de Capoeira

Data: 8 e 9 de dezembro em Brasília – 10 e 11 em Formosa (GO)

*Dia 8, às 19h30 - Batizado (troca de cordas dos alunos) – Torre de TV

*Dia 9, às 20h30 - Show de Capoeira, formatura e elevação de grau do Mestre Ralil - Centro de Convenções Ulysses Guimarães (Entrada: 1kg de alimento não perecível)

 

No próximo sábado dia (10), o programa Revista Brasil da Rádio Nacional, trás um tema especial "Saúde Mental''.

O programa será um tributo a Nise da Silveira e terá como participante o psiquiatra Dr. Ricardo de Albuquerque Lins, diretor do Instituto de Saúde Mental - ISM da Secretária de Saúde do Distrito Federal, opinando sobre o tema. Nise concedeu última entrevista à jornalista Lucia Leão da editora Bric-a-brac, dando sua opinião sobre saúde mental vai abrir a entrevia que teve a honra a psiquiatra em sua ultima entrevista concedida a revista Bric-a-brac.

Convidados confirmados: O jornalista e escritor presidente do sindicato dos escritores, Marcos Linhares; poeta e jornalista, Menezes Y Morais; e o jornalista e poeta em lançamento, Rômulo Neves, também jornalista e diplomata. Além de vários poetas e músicos que enaltecerão o encontro.

Programa Revista Brasil
apresentação: Valter Lima - Rádio Nacional AM (980 Khz). Sob coordenação e apresentação de José Garcia Caianno e Luís Felipe Vitelli.
Cobertura do portal de notícias Gama Cidadão.

Nise da Silveira

Nise da Silveira, nascida em 15 de fevereiro de 1905, foi psiquiatra alagoana que revolucionou os métodos tradicionais de tratamento com pacientes psiquiátricos. Propunha cuidado humanizado, tendo a arte como meio de reabilitar os doentes.

O filme “Nise — o coração da loucura” (baseado no livro Nise — Arqueologia dos mares, do jornalista Bernardo Horta) traz para o cinema vida e obra dessa médica que se formou aos 21 anos, em 1926, pela Universidade Federal da Bahia. Ela foi a única mulher integrante de uma turma de 157 alunos. Desde cedo ela foi pioneira, tendo escrito na graduação o “Ensaio sobre a criminalidade da mulher no Brasil”.  Foi árdua defensora da loucura.

Nise, devido à sua postura revolucionária perante à psiquiatria, foi presa política de 1934 a 1936, durante o Estado Novo. Ela foi acusada de envolvimento com o comunismo. Dividiu cela com Olga Benário, militante comunista alemã casada com Luís Carlos Prestes. Na prisão, conheceu Graciliano Ramos que a cita no livro Memórias do Cárcere: “(...) Lamentei ver minha conterrânea fora do mundo, longe da profissão, do hospital, dos seus queridos loucos. Sabia-se culta e boa. Rachel de Queiroz me afirmara a grandeza moral daquela pessoinha tímida, sempre a esquivar-se, a reduzir-se, como a escusar-se a tomar espaço.”

Nise implementou, em 1944, a Terapia Ocupacional do Hospital Pedro II, antigo Centro Psiquiátrico Nacional no Rio de Janeiro. Nesse período introduziu as artes plásticas no tratamento de esquizofrênicos, o que possibilitou aos pacientes (ou clientes, como Nise os chamava) que se expressassem.

Em 1952, foi inaugurado o Museu de Imagens do Inconsciente, no Rio de Janeiro, com centenas de telas e trabalhos feitos pelos doentes psiquiátricos. Também introduziu gatos e cães nas rotinas dos psicóticos, promovendo uma efusiva afetividade como os bichinhos.

Nise, em 1956, fundou a Casa das Palmeiras, a primeira instituição a desenvolver um projeto de regime de externato dos manicômios no Brasil. Em 1957, é convidada por Carl Jung para estudar durante 1 ano com ele no Instituto Junquiano, na Suíça; além de expor o acervo daquele museu no II Congresso Internacional de Psiquiatria. Em 1958, Nise criou o Grupo de Estudos C. C. Jung, no Rio de Janeiro, que coordenou até falecer em 1999.

Nise escreveu vários artigos científicos e como médica brasileira participou como membro e fundadora da Societé Internationale de Psychopathologie de l’Expression, com sede em Paris, em 1960; e, em 1965, promoveu a publicação do primeiro número da evista Quaternio, editada pelo Grupo de Estudos de Jung.

Nise da Silveira recebeu vários prêmios, títulos e homenagens; e várias instituições no Brasil, Paris e Porto foram criadas a partir de seus trabalhos. Ela foi a roteirista do filme Imagens do Inconsciente, do cineasta Leon Hirszman, divulgando a humanização do tratamento psiquiátrico no país.